Silvia Crusco

Poemas e Prosas

Textos

O faz de conta do fio de conta


Quantas e quantas pessoas vivem no mundo do faz de conta apoiado em dogmas religiosos. Tudo que aconteceu, acontece e acontecerá, passado, presente e futuro é codependente de leis criadas pelos homens em nome dos deuses e deusas e achismos nascidos pela mente. Vidas inteiras em termos cronológicos e biológicos são levadas à mercê do que a imaginação acredita ser uma verdade, do que o elo de ligação entre o sagrado e o humano impõe como caminho a seguir. Nada mais antinatural do que ir contra o livre arbítrio e o aprendizado que ele nos traz. Como pode uma pessoa estática esperar do mundo bênçãos para conseguir saúde, emprego, amor, felicidade e prosperidade. Tudo isso pode bater a nossa porta, porém a mesma deve ser aberta e para isso deve ser feito um movimento. Um oráculo e um sábio são para serem consultados, servem para oferecer uma proposta de caminho, porém os pés que irão andar por ele são os seus. A rapidez ou lentidão da sua jornada é você que impõe mediante a capacidade de ultrapassar obstáculos que fazem parte de sua história. É muito mais cômodo as culpas serem jogadas no colo de outras pessoas, porque isso tira a atenção da própria responsabilidade sobre seus atos e as atira em outrem em nome de feitiços e macumbas. Eu acredito naquele que me corrige, naquele me diz onde estão meus erros, naquele que mostra que estou em caminho errado. Acredito quando me falam que a culpa é toda minha sem inventar um bode expiatório para me livrar dos meus passos em falso. Eu acredito no sagrado sem intermediários. Eu acredito em fio de conta sem faz de conta.
Silvia Crusco
Silvia Crusco
Enviado por Silvia Crusco em 31/01/2019


Comentários



Site do Escritor criado por Recanto das Letras