Silvia Crusco

Poemas e Prosas

Textos


Meu sorriso

Acredito que eu nasci sorrindo ao invés de chorando.
Já faz tantos anos que será difícil alguém que estava naquele momento se lembrar, mas que eu nasci assim, eu posso apostar.
Ele é uma marca registrada que trago em minha face pela minha vida bonita.
Certas horas de choro parecem que os lábios se esticam que a boca se abre e que a pele estica, e lá vem ele de novo, meu sorriso que cisma em ficar.
Já ultrapassei tanta tempestade. Quase me afoguei, nadei sem parar, por fim, meu sorriso me fez flutuar e assim continuar.
Sempre acompanha o meu bom dia, boa tarde, boa noite e muito prazer. Ah, com prazer então o sorriso se abre todo. Que lindo que é.
Uma vez implicaram com ele. Perguntaram-me o porque eu era tão feliz, se isso não passava de uma camuflagem para algum tipo de tristeza escondida ou contida. Como eu poderia ter respondido? Com um sorriso, é claro.
A maneira de ver e sentir a vida é que faz com que as pessoas superem as dificuldades com um sorriso de esperança no rosto. E assim que eu funciono.
Adoro dar risadas pela vida. Seja sentada na calçada, na esquina, na beira da praia, de mãos dadas, de saia rodada, bem vestida e maquiada, ou até mesmo em estilo largada, sem compromisso com o amanhã.
Acredito que eu nasci sorrindo, e ninguém tira isso da minha cabeça. Aliás, a minha boca, os meus lábios, os meus dentes e a minha língua fazem parte dela, portanto nela está estampada a alegria.
Resolvi escrever isso em prosa e deixar um pouco de lado o poema, para ver se o sorriso continua no meio das minhas letras e frases. E não é que está aqui?
Acredito que nasci sorrindo e assim vou sempre indo.
 
Silvia Crusco
Enviado por Silvia Crusco em 30/11/2013


Comentários



Site do Escritor criado por Recanto das Letras